terça-feira, 20 de novembro de 2012

Censos 2011 - Resultados Definitivos já estão disponíveis

Foram publicados hoje os resultados definitivos dos censos 2011.


No que diz respeito à população residente, Braga cresceu de 164.192 habitantes em 2001, para 181.494 em 2011. Sendo o segundo município que mais cresceu em termos absolutos em Portugal, a seguir a Cascais. Braga superou em crescimento populacional, municípios como a Maia, Vila Nova de Gaia, Sintra, Almada, Loures...
No Minho além de Braga, apenas Famalicão, Vila Verde, Vizela, Amares e Viana do Castelo, também apresentaram crescimento populacional. 
Contudo Viana do Castelo teve um crescimento de apenas 96 habitantes, e todo o Alto Minho apresentou grande perda populacional, isto entre outros fatores demonstra que a aposta do Alto Minho em se ligar prioritariamente ao Porto, em vez de procurar a ligação ao Baixo Minho e o estabelecimento de redes nos mais diversos níveis, dentro do Minho, tem prejudicado não só o Baixo Minho mas em especial o Alto Minho.
Já no Baixo Minho define-se claramente um eixo de crescimento entre o Porto e Braga, e este eixo estende-se até Vila Verde e Amares, que juntamente com Braga formam parte de uma Área Metropolitana que devido à deficiência legal na matéria em Portugal, não pode estar definida com tal. O único município fora deste eixo com crescimento foi Vizela.

Em relação aos movimentos pendulares (estudantes e trabalhadores), o município de Braga atraía em 2001 19.918 e originava 13.387, resultando num saldo positivo final de 6.531. Em 2011 Braga passou a atrair 28.347 movimentos pendulares e a gerar 20.309, com um saldo positivo final de 8.038.
Dentro do Minho, Braga e Vila Nova de Cerveira passam a ser os únicos municípios com saldo positivo nos movimentos pendulares, assumindo Braga claramente o papel de pólo polarizador dentro do Minho. Contudo se compararmos com realidades como a do Porto que atrai 171.738 e tem um saldo positivo de 142.839, ou com Coimbra que atrai 47.380, para um saldo positivo de 35.181, vemos que o efeito de polarização destes municípios sobre os vizinhos é muito superior.
Já Guimarães, Viana do Castelo, Famalicão e Barcelos apesar dos centros urbanos de dimensão assinalável, no conjunto do município apresentam um défice no que diz respeito aos movimentos pendulares.

No site do Ine, podem ser consultados até ao nível de freguesia cerca de 150 indicadores.